.
.

O QUE MAIS LHE INTERESSA SOBRE ORIXÁS:

SOBRE O SEU ORIXÁ DE CABEÇA:

Páginas Visitadas

ORIXÁS, UMBANDA E CANDOMBLÉ

POR AMOR AOS ORIXÁS - ANO III

Seguidores

Seguir por Email

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

O RITUAL DO IPADÊ DE EXÚ

O RITUAL DE ÌPÀDÉ NO CANDOMBLÉ

A palavra Ìpàdé significa “encontro, reunião”. Da contração desta palavra surgiu o termo “padé” que ficou para determinar o "ritual do padé".

Nessa ocasião, todos os membros da casa devem estar no barracão. No momento do ìpàdé ou padé os Exus, Ancestrais, Orixás e pessoas filhos do egbé formam um
conjunto muito importante.


E uma cerimônia restrita aos iniciados, todos permanecem abaixados, ajoelhados em esteiras sem olhar o que se passa a sua volta.
Este ato é por causa de iyamin.
Se uma pessoa levantar a cabeça em hora indevida, as iyamins podem cegar esta pessoa naquele momento.

No ato do ìpàdé, só a Ìyamoró pode entrar e sair do barracão, pois a ela foi conferido um objeto (cuia) que a proteje como escudo dos perigos das ajé(iyamin).

Na verdade, o ìpàdé é uma obrigação feminina, quem controla o ìpàdé são as Iyá Mí Ajé ou “As Grandes Mães Feiticeiras”.

chamado popularmente de Padê de Exú é um ritual executado antes de qualquer cerimónia interna ou pública do Candomblé, Exú é sempre o primeiro a ser homenageado.

De manhã, consuma-se o sacrifício; os preparativos culinários e a oferenda às divindades ocupam o restante do dia; a cerimónia pública propriamente dita começa ao fim da tarde, quando o sol se põe e prolonga-se por muito tempo, noite adentro.

Qualquer cerimónia tem início, obrigatoriamente, com o Padê de Exú.

Exú é considerado o Mercúrio africano, o intermediário necessário entre o homem e o sobrenatural, o intérprete que conhece ao mesmo tempo a língua dos mortais e a dos Orixás.
É pois ele o encarregado – e o Ipadé não tem outra finalidade – de levar aos Orixás o chamamento dos seus filhos.


CELEBRAÇÃO PELAS FILHAS DE SANTO
O Ipadé é celebrado por duas das filhas-de-santo mais antigas da casa, a Dagã e a Sidagã, ao som de cânticos em língua Iorubá, cantados sob a direcção da Iyà Têbêxê e sob o controle do Babalorixá ou Yalorixá, diante de uma quartinha com água e um prato de barro contendo o alimento de Exú, e um outro recipiente com o alimento favorito dos ancestrais.

Esta cerimônia entoa obrigatoriamente uma cantiga aos mortos (Essá) ou para os antepassados do Candomblé, alguns de entre eles são mesmo designados pelos seus títulos sacerdotais.
A quartinha, o recipiente e o prato serão levados para fora do barracão onde se desenrolarão as restantes cerimónias.
A festa propriamente dita pode então começar.

Obs.: Não confundir Padê (que significa a comida de Exú) com Ipadé (que significa Encontro) que é a cerimónia propriamente dita.

Precedendo todos os toques é realizada de dia, com exceção na cerimônia AXEXE quando é rodado durante à noite.

NÃO SE "DESPACHA"  EXÚ
Por falta de informações e esclarecimentos corretos, diz-se entre os leigos que essa cerimônia é para despachar Exu, porém isso não é verdade, pois nesta hora apenas colocamos Exu como guardião e mensageiro para avisar aos Orixás que estaremos precisando de suas presenças no Ayê.

Um toque se divide em o IPADE propriamente dito, O XIRÊ e o RUM.

Nesse ritual são também invocados as Yamis, Exu Ale etc. Ojixé leva o recado aos Orixás que o Ayê (mundo físico, o homem)está solicitando sua presença.

Na segunda parte no XIRÊ ( que significa em Português BRINCAR ) o homem começa a "brincar", ou seja cantar de um modo mais descontraído, nesta hora os Orixás ainda estão sendo avisado que eles serão reverenciados.

Por fim e ultima parte temos o RUM DOS ORIXÁS nesta os orixás "tomam" seus filhos e começam seus festejos, através dos atos em suas danças contando suas lendas, suas proezas e nos ensinando a sobrevivência.

Para quem teve a oportunidade de assistir O BALÉ DOS ORIXÁS (transmitido pelo Canal 2 TV Educativa, do Rio de Janeiro), peça que foi baseada em obras de grandes pesquisadores, o Padê ou Ipadê seria uma cerimônia alheia aos assistentes, ou seja, feita antes de começar a chegarem as pessoas de fora.
Consistiria de uma ADAGAN e uma SIDAGAN (mulheres com cargo para esse fim) uma quarta de água e um oberó com farofa de dendê (chamado de PADE), isso tudo precedido por um sacrifício de um frango na casa de Exu. Com um adjá começaria a evocar exu.

UMA CANTIGA/ORIKI DE EVOCAÇÃO NO IPADÊ
A primeira que evoca os ajés seria apenas com uma reza:
EXU A JUO MO MO
KI WO
LAROYE EXU A JU O MO MO
KI WO ODARÁ EXU AWO

E terminaria com a seguinte cantiga

BARA JO BO TON
BARA UN LE
BARA JO BO TON
BARA UN LÓ

SIGNIFICADO DOS ELEMENTOS NO IPADE OFERECIDO À EXÚ
No Ipadê é oferecido a Exu:
OMI (água): que é a oferenda por excelência
I EFUN (farinha): caracteriza abundância
EPÔ (dendê): poder de gestação, ação
OTÍ (cachaça): bebida destilada de sua preferência
OYIN (mel): beleza, energia
AKAÇA: pasta feita com milho branco, enrolado na folha de bananeira (alternativo), é
feito ao por do sol.

http://ocandomble.wordpress.com/2008/07/02/o-ipade-de-exu/
http://www.guardioesdaluz.com.br/ketudois.htm

POSTAGENS RECENTES

PESQUISAR ESTE BLOG

Carregando...

ARTIGOS SUGERIDOS

PÁGINA INICIAL

PÁGINA INICIAL
click na imagem

ORIXÁ EXÚ

ORIXÁ EXÚ

ORIXÁ OGUM

ORIXÁ OGUM

ORIXÁ IANSÃ

ORIXÁ IANSÃ

ORIXÁ XANGÔ

ORIXÁ XANGÔ

ORIXÁ OXUM

ORIXÁ OXUM

ORIXÁ OXÓSSI

ORIXÁ OXÓSSI

ORIXÁ IEMANJÁ

ORIXÁ IEMANJÁ

ORIXÁ OMOLÚ

ORIXÁ OMOLÚ

ORIXÁ NANÃ BURUQUÊ

ORIXÁ NANÃ BURUQUÊ