.
.

O QUE MAIS LHE INTERESSA SOBRE ORIXÁS:

SOBRE O SEU ORIXÁ DE CABEÇA:

Páginas Visitadas

ORIXÁS, UMBANDA E CANDOMBLÉ

POR AMOR AOS ORIXÁS - ANO III

Seguidores

Seguir por Email

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

A REDEMOCRATIZAÇÃO DE DEUS ATRAVÉS DA UMBANDA


Democracia ("demo+kratos") Considerada como um processo, a democracia (com o significado de "democratização") nunca cessa de ser construída e reconstruída, a partir da sua legitimidade popular.
A Religião de Umbanda num processo silencioso, mas muito abrangente e universalista chama para sí a redemocratização da crença em Deus, expandindo a mensagem que todas as religiões são vias evolutivas cujos caminhos particulares deságuam em uma mesma fonte divina chamada Deus o criador de tudo e de todos. Somos imparciais em dizer que no cerne de todas as religiões e na sua mensagem divina encontramos a crença em Deus como o criador de tudo e de todos, encontramos mensagens doutrinadoras e virtuosas que visam como objetivo a evolução dos seres que vivem sob o amparo dessa religião que escolheu como via evolucionista, encontramos leis que são limitadora e refreadora de nossos vícios e instintos negativos, encontramos lugares sagrados de cultos na natureza, encontramos canalizadores de vontades superiores que são denominados avatares, médiuns ou profetas, encontramos a crença nas suas potências divinas ou divindades auxiliares de Deus, Citemos algumas religiões que se são diferentes na aparência a essência é a mesma pois em religião tudo se repete.
No Judaísmo encontramos a crença em um Deus único onde refere-se a ele como Adonai ou YHWH substituído por “Senhor” na liturgia mais recente e encontramos também a crença nas potências divinas ou classes de seres celestiais a serviço de Deus denominada por Arcanjos , encontramos lugares sagrados de cultos na natureza como o Monte Sinai ou a montanha sagrada onde Moises recebeu os mandamentos, encontramos o profeta na pessoa de Abrão, Moises e muitos outros. No Hinduismo encontramos a crença em um Deus único onde refere-se a ele como Brâman (O espírito supremo) e encontramos também a crença nas potências divinas ou classes de seres celestiais a serviço de Deus denominada por Vedas, encontramos lugares sagrados de cultos na natureza como o Rio Ganges, encontramos canalizadores de vontades superiores ou avatares como Krishna e Rama. Na Umbanda encontramos a crença em um Deus único onde refere-se a ele como Olorum (Deus supremo, Senhor do Alto) e encontramos também a crença nas potências divinas ou classes de seres celestiais a serviço de Deus denominada por Orixás, encontramos lugares sagrados de cultos na natureza como: cachoeiras, lagos, rios, mar, matas, pedreiras, ou seja toda a natureza, encontramos canalizadores de vontades superiores ou médiuns como: Pai Zélio Fernandino de Moraes e muitos outros. E assim se repete na religião grega, egípcia, etc. Sabemos que da religião judaica nasceram o Cristianismo tendo como fundador Jesus Cristo e o Islamismo tendo como fundador Maomé renovando o culto à Deus e atendendo as necessidades dos povos de então mudando apenas a forma de culto, porem o objetivo é o mesmo que é voltar-se a o criador de tudo e de todos através dos sentidos virtuosos que conduzem até Ele. Em religião tudo se repete e se renova e a Umbanda de forma silenciosa traz essa missão redentora de universalização, conscientização e democratização de Deus, pois já no seu nascedouro ela já se mostrou universalista e na sua dinâmica espiritual já trazia espíritos de negros escravos, índios, padres, nordestinos etc, que somente aos olhos dos cegos e incautos não viram que por traz dessas apresentações simbólicas espirituais a Lei Maior estava agindo contra o preconceito racial, cultural e religioso, a intolerância, o dogmatismo, o fanatismo, o ódio e todo o sentimento negativo que a segregação e a marginalização desperta no ser. Somente as cegueiras da vaidade, do fanatismo e do preconceito em todos os setores permitiram que não enxergassem que a Umbanda ao adotar nomes simples tais como: Boiadeiros, Baianos, Marinheiros, Pretos velhos, Ciganos, Caboclos etc, como representativos de seus graus espirituais, estava lutando contra o preconceito latente e vivo em todos os meios e, sem nada falar estava dizendo no seu eloqüente silêncio que, o espírito em verdade não possui raça, cor ou etnia, que a caridade, a humildade, a simplicidade, a tolerância, a fé, a misericórdia, a redenção e o amor, não tem cor, não tem raça e nem posição social e que todos esses sentimentos conduzem os ricos, os pobres, os pretos, os brancos, os judeus, os cristãos, os europeus, os africanos, enfim a todos na presença de Deus.
No dia 16 de novembro de 1908 as 20:00 horas o Caboclo das Sete Encruzilhadas ao fundar a Umbanda diz: Aqui inicia-se um novo culto em que os espíritos de pretos velhos africanos, que haviam sido escravos e que desencarnaram não encontram campo de ação nos remanescentes das seitas negras, já deturpadas e dirigidas quase que exclusivamente para os trabalhos de feitiçaria e os índios nativos da nossa terra, poderão trabalhar em benefícios dos seus irmãos encarnados, qualquer que seja a cor, raça, credo ou posição social. A pratica da caridade no sentido do amor fraterno, será a característica principal deste culto, que tem base no Evangelho de Jesus e como mestre supremo Cristo".
Nasce a Religião de Umbanda. A Revelação Divina da Redemocratização de Deus, ou a Sua adoração indistinta onde a base é o respeito e o amor para com as varias formas de cultua-lo através de suas virtudes.


Fonte:
Pablo Araujo de Carvalho
http://www.webartigos.com/articles/53781/1/A-REDEMOCRATIZACAO-DE-DEUS-ATRAVES-DA-UMBANDA/pagina1.html#ixzz1C5WXyRO3

POSTAGENS RECENTES

PESQUISAR ESTE BLOG

Carregando...

ARTIGOS SUGERIDOS

PÁGINA INICIAL

PÁGINA INICIAL
click na imagem

ORIXÁ EXÚ

ORIXÁ EXÚ

ORIXÁ OGUM

ORIXÁ OGUM

ORIXÁ IANSÃ

ORIXÁ IANSÃ

ORIXÁ XANGÔ

ORIXÁ XANGÔ

ORIXÁ OXUM

ORIXÁ OXUM

ORIXÁ OXÓSSI

ORIXÁ OXÓSSI

ORIXÁ IEMANJÁ

ORIXÁ IEMANJÁ

ORIXÁ OMOLÚ

ORIXÁ OMOLÚ

ORIXÁ NANÃ BURUQUÊ

ORIXÁ NANÃ BURUQUÊ