.
.

O QUE MAIS LHE INTERESSA SOBRE ORIXÁS:

SOBRE O SEU ORIXÁ DE CABEÇA:

Páginas Visitadas

ORIXÁS, UMBANDA E CANDOMBLÉ

POR AMOR AOS ORIXÁS - ANO III

Seguidores

Seguir por Email

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Um outro Pastoreio

Um Outro Pastoreio trata de duas jornadas.
Iansã, a Deusa dos Ventos e das Tempestades, viaja ao Mundo dos Homens para resgatar Ogum, o Senhor da Guerra e da Tecnologia. Simão, um velho peregrino, parte em busca de sua fé na companhia de um menino.

Mas não será uma tarefa fácil. É um tempo sombrio e desolador no qual uma horda de guerreiros invasores espalha terror e destruição.

O futuro do Mundo dos Homens e dos Orixás depende do sucesso de Iansã e Simão. Eles precisam recriar a lenda de um escravo que tinha o dom de encontrar coisas perdidas, o Negrinho do Pastoreio.


ÍNDICE COMENTADO

Cap. 01 – AS FORMIGAS FALANTES – Prólogo. Uma pequena fábula sobre as formigas e o destino da humanidade.

Cap. 02 – EM UM FUTURO NÃO TÃO DISTANTE... – Um velho peregrino chamado Simão caminha solitário em uma noite escura. Ele se depara com um menino que o faz relembrar uma lenda antiga.

Cap. 03 – A CANÇÃO DE SIMÃO – ELAS, HORDA E FUGA – Simão canta sobre as formigas, a horda de invasores e um escravo em fuga.

Cap. 04 – NEGRINHO POR CERTO SERIA – Simão conta ao Menino sobre o primeiro encontro do escravo e de Iansã, a deusa dos raios e das tempestades dos Orixás. Iansã diz ao Negrinho que ele precisa cumprir uma missão.

Cap. 05 – NOTÍCIAS DE UMA GUERRA – Uma formiga conta a Exu, o mensageiro dos Orixás, sobre uma guerra em curso no firmamento. Exu arma um plano.

Cap. 06 – A CURANDEIRA – Simão narra a história de uma curandeira que vivia em uma floresta. A curandeira, uma das faces de Iansã na terra, acolhe o Negrinho do Pastoreio em sua cabana.

Cap. 07 – MAU AGOURO - Por conta de um trabalho de parto malsucedido, aldeões de um vilarejo próximo atacam o sítio da curandeira. Ela e o Negrinho escapam.

Cap. 08 – O BAIO – O Negrinho conhece o seu companheiro de aventuras, o Baio.

Cap. 09 – QUANDO SOAM AS TROMBETAS – Na aldeia dos Orixás, a trombeta soa sinalizando perigo. Ogum, o senhor do fogo e da tecnologia, interrompe o trabalho na oficina para verificar o que está acontecendo.

Cap.10 – EXU SEMEIA A CIZÂNIA – Em transe, Exu conta aos Orixás sobre a guerra no firmamento. O panteão fica em dúvida se deve intervir. Ogum se exalta com Exu. Iansã se preocupa com a possibilidade da luta. Oxalá, o criador do mundo natural, e Nanã, a guardiá do saber ancestral, definem que os Orixás devem tomar a decisão no dia seguinte.

Cap. 11 – A CANÇÃO DE SIMÃO – O PRIMEIRO EMBATE – O Negrinho e o Baio se deparam com a Cidadela, a gigantesca máquina de guerra da Horda, comandada pelo Estancieiro e o Filho. O Negrinho se junta à resistência mas é derrotado. Ele e o Baio são aprisionados pelo Estancieiro.

Cap. 12 – UMA CONVERSA MUITO SUSPEITA – Na aldeia dos Orixás, Exu e Xapaná, o deus das pragas e das doenças, falam sobre o rumo das coisas.

Cap. 13 – DYNAMIKÓS – Simão conta ao Menino sobre a invenção das histórias.

Cap. 14 – VAMOS LUTAR! – Iansã, desconfiada com Ogum, investiga a oficina do deus da tecnologia e descobre um plano. Ogum aprisiona os Orixás, confisca seus poderes e viaja ao mundo dos homens para criar um exército. Iansã chega depois e é instigada pelos orixás a combater Ogum.

Cap. 15 – O SOPRO DO DRAGÃO – Ogum encontra o Dragão que avisa o orixá que ele corre risco. Ogum mata o Dragão. O orixá é traído pelo exército dos homens capturado e esquartejado. Os restos são colocados em pequenas Caixas. Os homens usam o poder da tecnologia e fogo para espalhar o terror.

Cap. 16 – INFINITOS DIAS DE SOLIDÃO – O Negrinho permanece como escravo na Cidadela. O Estancieiro mantém a Caixa do Poder, que contém os restos mortais de Ogum, escondida em seu escritório. O Baio escapa do jugo do Estancieiro. O Negrinho é designado para procurá-lo sob pena de tortura. Quando ele desiste da busca do cavalo, as formigas o ajudam.

Cap. 17 – A CANÇÃO DE SIMÃO – O OUTRO É NINGUÉM – Ao retornar à Cidadela com o Baio e a tropa, o Negrinho é Filho do Estancieiro arma uma tocaia, mata o Baio e espanta os cavalos. O Estancieiro surra o Negrinho. Nesse meio tempo, um búfalo surge e desafio a Horda. O Estancieiro deixa o Negrinho no escritório e comanda a Cidadela a perseguir o búfalo. O animal desaparece em um campo repleto de formigueiros. O Negrinho pega a Caixa e tenta escapar. O Estancieiro retorna ao escritório e surra o Negrinho até a morte e manda jogar o corpo em cima de um formigueiro.

Cap. 18 – O SONHO QUE SE FAZ REAL – Simão chegam a lugar que ele acredita ser o Campo Santo onde o Negrinho estaria enterrado. Simão faz a prece, mas desanima. O Menino solicita ao velho que termine de contar a história e mostra que há outro lugar depois de uma ponte. Ao atravessar a ponte, o Menino desaparece. Simão retoma a fé.

Cap. 19 – ESPERANÇA TRAGO NA LUZ – A Cidadela chega ao lugar. Simão pega um chifre de búfalo e corta o pulso. O sangue cai em cima de um formigueiro. Antes de morrer, Simão faz novamente a sua prece. Um gigantesco Negrinho do Pastoreio surge de um formigueiro. A lenda revive.

Cap. 20 – O DUELO – A Cidadela e o Negrinho-Monstro combatem. O Negrinho vence. Da Cidadela sobram escombros e o escritório onde estão o Estancieiro e o Filho.

Cap. 21 – A CAIXA - Após a batalha, o Negrinho, em sua forma original, e o búfalo invadem o escritório do Estancieiro. O búfalo se transforma em Iansã. Ela pede que o Estancieiro lhe entregue a Caixa. O Filho tenta atirar em Iansã. Formigas saem do corpo do Negrinho e devoram o Filho. O Estancieiro se prostra. Iansã abre a Caixa e liberta Ogum.

Cap. 22 – LIBERDADE, JUSTIÇA E TOMATES - Na Aldeia dos Orixás, Ogum liberta os deuses. Exu e Xapanã são condenados pelos Orixás. Eles devem reequilibrar as forças universais e ajudar Iansã a reorganizar o Mundo dos Espíritos. Os orixás mantém a esperança nos homens. Exu é castigado com tomates.

Cap 23. – (SEM TÍTULO) – Prólogo. O Estancieiro, preso na Cidadela, segura o Filho morto em seus braços. Negrinho, montado no Búfalo, cavalga ao lado do Baio sob a luz do luar.


MATERIAL EXTRA

O NEGRINHO DO PASTOREIO - A lenda original escrita por João Simões Lopes Neto.

A LENDA DO BÚFALO – Rodrigo dMart apresenta uma versão de uma história da cosmologia dos orixás que fala como Iansã se transforma em búfalo.

COMO SURGIU A MORADA DOS ORIXÁS - dMart e Nazari contam uma versão ilustrada da origem da Aldeia dos Orixás, criação de Olorum, o dono de Todas as Coisas.

GLOSSÁRIO – Com termos regionais brasileiros e da mitologia dos orixás.

PROJETO
Apresentação
Roteiro
PERSONAGENS
Simão
Yansã / Asnay / Búfalo
Negrinho do Pastoreio
Baio
Exu
Ogum
Estancieiro e Filho
Cidadela
AUTORES
Rodrigo dMart
Everson Nazari

FONTE http://pastoreio.org/roteiro/

POSTAGENS RECENTES

PESQUISAR ESTE BLOG

Carregando...

ARTIGOS SUGERIDOS

PÁGINA INICIAL

PÁGINA INICIAL
click na imagem

ORIXÁ EXÚ

ORIXÁ EXÚ

ORIXÁ OGUM

ORIXÁ OGUM

ORIXÁ IANSÃ

ORIXÁ IANSÃ

ORIXÁ XANGÔ

ORIXÁ XANGÔ

ORIXÁ OXUM

ORIXÁ OXUM

ORIXÁ OXÓSSI

ORIXÁ OXÓSSI

ORIXÁ IEMANJÁ

ORIXÁ IEMANJÁ

ORIXÁ OMOLÚ

ORIXÁ OMOLÚ

ORIXÁ NANÃ BURUQUÊ

ORIXÁ NANÃ BURUQUÊ