.
.

O QUE MAIS LHE INTERESSA SOBRE ORIXÁS:

SOBRE O SEU ORIXÁ DE CABEÇA:

Páginas Visitadas

ORIXÁS, UMBANDA E CANDOMBLÉ

POR AMOR AOS ORIXÁS - ANO III

Seguidores

Seguir por Email

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Iansã no Terreiro

A manifestação e o axé de Iansã no Candomblé

Iansã, a deusa dos ventos e das tempestades, também patrona da casa, é o destaque da noite. Em sua louvação, os devotos empurram o ar com as mãos, como se estivessem espantando os eguns (espíritos dos morros) ou controlando os ventos. É o símbolo do poder dessa orixá soobre o mundo dos vivos e dos mortos.

De repente, o grito de uma iaô (iniciada que pode receber o santo) atravessa o terreiro e avisa que a guerreira chegou. De cabeça baixa e olhos fechados, a moça de saia rodada estremece o corpo, fora de si. "Eparrei! Salve Iansã!", é a saudação dos devotos à deusa, para quem o corpo da iaô deu lugar. Convidados e fiéis mantêm a mão direita espalmada para a orixá, como um sinal de respeito. O ritmo dos atabaques e agogôs é crescente. Sacudindo o adjá (espécie de chocalho de lata), um pai-de-santo coloca-se em frente à iaô, ainda em transe, e conduz Iansã pela sala. A orixá abençoa a orquestra, o centro do terreiro e a porta de entrada. Seu grito de guerra rasga os ares. O axé - a força vital, a energia sagrada - de Iansã toma conta do terreiro.

As iaôs rodopiam e jogam-se contra os devotos. É Iansã. Ela baixa em seus filhos com a força dos ventos, gira de um lado para o outro empunhando a espada, pronta para afastar qualquer mal de seus devotos.

"A hora primordial de Iansã é quando ela tira todas as energias negativas do terreiro", diz Oyabolá. "É como se estivesse varrendo as coisas ruins da casa." A deusa chega com a força da guerra e despede-se distribuindo amor. No toque final de sua dança, Iansã presenteia uma convidada com um buquê de rosas. Abraça os ogãs e a mãe-de-santa Oyabolá, para a qual se debruça em tom de respeito. Ainda em transe, o filho e a filha de Iansã são retirados do terreiro, andando de costas para a entrada. Cleide não se lembra de nada quando volta a si. Mas sabe que, por alguns momentos, seu corpo pertenceu à orixá. "Eu me desligo do mundo. Quando volto, tenho a sensação de ter feito uma coisa boa", afirma.

Assim finda mais um ciclo de doações do Candomblé. Ao cantar para Oxalá, o deus de todos os orixás, os devotos entoam sua última louvação antes do ajeum, a comida que dividem com os deuses. Sobre tapetes de palha estendidos no chão do terreiro, as filhas-de-santo da casa colocam uma vasilha de acarajé. É o prato preferido de Iansã. Quilos de carne de cabrito, frango e pato, cozidos e assados, também são servidos. Enquanto as vísceras ficam no altar dedicado a Iansã, a carne alimenta os devotos. Pratos de arroz, farofa de banana e maionese completam o banquete. Ninguém sai do terreiro sem receber uma refeição. "O ajeum simboliza a riqueza e a fartura do Candomblé", diz Oyabolá.

Terminado o ritual, quando a comida sacia a fome de todos, já não há mais danças ou cânticos. O terreiro, aos poucos, volta a ficar vazio e silencioso. Invisível, a energia do axé ainda vibra no espaço, marcado pela fé dos homens que se espelham nos deuses africanos para se unir ao Sagrado. "Nyfe fé ke Olorum fé!", a louvação ressoa nos corações. Seja feita a vontade de Deus!

autora Débora Didone - Revista dos Orixás
____________________________________________

POSTAGENS RECENTES

PESQUISAR ESTE BLOG

Carregando...

ARTIGOS SUGERIDOS

PÁGINA INICIAL

PÁGINA INICIAL
click na imagem

ORIXÁ EXÚ

ORIXÁ EXÚ

ORIXÁ OGUM

ORIXÁ OGUM

ORIXÁ IANSÃ

ORIXÁ IANSÃ

ORIXÁ XANGÔ

ORIXÁ XANGÔ

ORIXÁ OXUM

ORIXÁ OXUM

ORIXÁ OXÓSSI

ORIXÁ OXÓSSI

ORIXÁ IEMANJÁ

ORIXÁ IEMANJÁ

ORIXÁ OMOLÚ

ORIXÁ OMOLÚ

ORIXÁ NANÃ BURUQUÊ

ORIXÁ NANÃ BURUQUÊ