.
.

O QUE MAIS LHE INTERESSA SOBRE ORIXÁS:

SOBRE O SEU ORIXÁ DE CABEÇA:

Páginas Visitadas

ORIXÁS, UMBANDA E CANDOMBLÉ

POR AMOR AOS ORIXÁS - ANO III

Seguidores

Seguir por Email

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

ERÚ: TRANSFERENCIA, DESPACHO E TROCA DE ENERGIAS

Antes de tudo, procure falar com um antigo Bàbálòrìsà ou Yálòrìsà, dos velhos tempos de “Batuque”( Batukàjé), e pergunte-lhe o que é “troca de cabeça”, por muitos hoje, também chamado de “troca de vida”.
O nome correto em africano é “Eru” mas, temos três maneiras de dar a definição desta palavra, como sendo:



Eru (1) = Neste conceito é um espírito mau, “bravo” que desce para perturbar a vida de uma pessoa ou “função” (festa); por tal motivo que antes de se iniciar qualquer “Obrigação”, realizamos uma limpeza no local, e até mesmo, antes de qualquer “Ebó” colocamos uma oferenda na primeira encruzilhada para não perturbar. “Èru” = em Yorùbá: desonesto, misturador de coisas e desordenador.

Eru (2) = Tem como conceito também e é empregado : Grande pacote que se faz, no último dia do asesé (aressum), com os “assentos” e objetos que pertenceram ao morto, além de tudo mais que foi usado nessa cerimônia fúnebre. Essa carga é “despachada” em lugar determinado pelos Òrìsàs : Rio; mar; mata, etc… Levada por “Sacerdotes” preparados, pois é muito perigosa, já que pode estar acompanhada por espíritos malévolos. Eru = em Yorùbá: carga, pacote para descarregar, “troca de cabeça ou de vida”.
Antes devo dizer: Não devemos confundir a “troca de cabeça” com “troca de Òrìsà” . A mudança de Òrìsà (Olóri, dono da cabeça ou vulgarmente, devido ao sincretismos, chamado de Anjo-de-Guarda), ninguém pode mudar de Òrìsà (Olóri). O que pode acontecer é um “Feitor (a)” incompetente não saber identificar o Òrìsà (Olóri) de uma pessoa.

Eru (3) = “Troca de Cabeça”
É a cerimônia ritualística efetuada para transferir a doença de um Filho de Òrìsà ou cliente para algum animal de quatro-pés ou aves, desde que o seu Òrìsà dê o consentimento, por meio do Àse de Búzios. O doente recupera a saúde, enquanto o animal é sacrificado.
Rito, existem várias cerimônias “Eru ou Trocas de Cabeças” e são impressionantes; por exemplo:
Caso ainda o enfermo tiver condições de andar, fica no salão, e o “Feitor (a)”e seus auxiliares, com os trajes próprios do ritual, o animal deve ser coberto por um pano preto, passado no enfermo até desfalecer o animal, após passa-se epô (dendê ). Tira-se os “orins”para Sakpata (Xapanã) e outros, cumprindo-se os preceitos necessários. O paciente, tira-se toda a roupa e canta-se para Egungun. Depois passar os àses (pacotes) de Òrìsàs, passa-se epô pelo corpo todo do doente. Abre-se uma fenda nas costas do quatro-pés (ou ave) e nela iremos colocar a roupa e os “cabelos” do doente, bem como, os àses indicado pelo Àse de Búzios . Iremos despachar em uma determinada “árvore”, devemos realizar uma fenda na árvore e coloca-se o despacho em cima .
Observação : Tem casos em que o animal vai inteiro e embaixo, ou seja, no pé da árvore; e, em outros na fenda, iremos colocar os cabelos e a roupa do paciente (doente) e o animal fica por cima. Enquanto essa árvore tiver “vida” o paciente estará seguro.
Assim como, existe outro “Eru”, que realizamos, e sendo um ritual totalmente especial, para casos de doenças graves como os de câncer, aids, etc…Não trata-se de cura, mas fazer estancar, paralisar a doença . Esse “Eru” é realizado com certos Òrìsàs, e realizado também um rito especial, sendo despachado em uma ruína .
Assim como, o “Eru Sávó”, para tirar feitiços de uma pessoa (saruada), doente psicologicamente, problemas financeiros, com mão de Egungun, etc…
Importante : Estás obrigações só poderá ser realizadas, feitas por pessoas, que tiverem feitura com quatro-pés, “Óbori Completo”, ou já, com os Òrìsàs assentados. O mínimo de pessoas, para executar tais ritos, são : de duas, mais o Feitor (a).
Eru, existem dois processos de se proceder:
O “DIRETO” e o “INDIRETO” : Supondo-se o interessado “presente ou ausente”, bastando por vezes, uma peça de roupa, cabelos, jóias, ou um retrato ( no máximo com 6 meses) e que estabeleça uma relação magnética com a pessoa enferma . Em qualquer caso, devemos empregar em oferendas as víceras dos animais : Coração, fígado, rins, intestinos ou partes como uma língua, cabeça, pernas, braços; segundo, e que seja, correspondentemente ao órgão doente do paciente que nos consulta ou manda um terceiro consultar por ele.
Essas partes ou órgãos, passados no corpo do doente invocando, a título de oferenda, ou segundo a urgência a corpo nu; após ficam por algum tempo arriado ante o altar dos Òrìsàs. Para depois serem despachados no mato, campo, monte, encruzilhada, praia ou no ilèfékum (cemitério), acompanhadas dos demais produtos ou objetos empregados no ritual, como sejam : fitas, varas, roupas de uso, moedas, velas, farinha de trigo, pipocas, opetés, arroz e mesmo, certas comidas prévia e especialmente preparadas para o fim.
Como já falei anteriormente, é regra geral.
O trabalho mais completo nesse sentido é o “Eru ou Troca de Cabeça”, que consiste no sacrifício de um animal de quatro-pés ou ave; vivos, antes do ritual de operação, sobre eles é executado todo cerimonial, e cuja significação é oferecer “uma vida em troca de outra” em condições periclitante.
A chamada “Troca de Cabeça”ou mais pròpriamente “Eru”, só tem lugar no caso de moléstias graves. Compreende o sacrifício e rito fúnebre da ave ou animal de quatro-pés que se oferece.
Em outros casos, conforme os “Búzios” a oferta consiste na doação de aves, após rito, as quais a cerimônia, são soltos vivos, no lugar que for determinado pelo Òrìsà. Para tal fim, é largamente empregado o pombo, e por vezes o galo, galinha ou cabrito, quase sempre ornamentados, e onde não faltarão o epô e o mel. Caso, em que, não se trata da “saúde” do indivíduo, porém, de propiciar as entidades em favor de outros múltiplos motivos, que soem perturbar a marcha da existência de cada um: Ódios, invejas, perseguições, maus negócios, lutas de demanda, desentendimentos, aspirações, etc…
Se alcançam ou não tais objetivos, com esses processos, é cousa que só a numerosa e, por vezes, seleta, clientela pode dizer com precisão e conhecimento de causa.

Alá… Gá-jú-lò… Òrìsà Agonjú…Kàwò Ka biyè si lê!… Abá!..Abá!..

http://povodosanto.wordpress.com/batuque/eru/

POSTAGENS RECENTES

PESQUISAR ESTE BLOG

Carregando...

ARTIGOS SUGERIDOS

PÁGINA INICIAL

PÁGINA INICIAL
click na imagem

ORIXÁ EXÚ

ORIXÁ EXÚ

ORIXÁ OGUM

ORIXÁ OGUM

ORIXÁ IANSÃ

ORIXÁ IANSÃ

ORIXÁ XANGÔ

ORIXÁ XANGÔ

ORIXÁ OXUM

ORIXÁ OXUM

ORIXÁ OXÓSSI

ORIXÁ OXÓSSI

ORIXÁ IEMANJÁ

ORIXÁ IEMANJÁ

ORIXÁ OMOLÚ

ORIXÁ OMOLÚ

ORIXÁ NANÃ BURUQUÊ

ORIXÁ NANÃ BURUQUÊ