.
.

O QUE MAIS LHE INTERESSA SOBRE ORIXÁS:

SOBRE O SEU ORIXÁ DE CABEÇA:

Páginas Visitadas

ORIXÁS, UMBANDA E CANDOMBLÉ

POR AMOR AOS ORIXÁS - ANO III

Seguidores

Seguir por Email

domingo, 18 de setembro de 2011

LENDAS DE EWÁ E OXUMARÉ


Ewá era uma linda mulher que morava num reino distante de Ifé. Com seu jeito de princesa, causava admiração por onde passava. Vivia às margens de um rio e podia invocar as forças das chuvas e dos ventos para favorecer as colheitas. Um dia, quando se banhava no rio, um arco-íris se formou diante dela, a imensidão da luz impressionou Ewá, a qual sentiu que alguém a protegia e a envolvia. Correu para contar aos outros habitantes da região o que presenciara; mas assim que deixou a água, olhou para trás e viu que o arco-íris desaparecera, restando apenas algumas moedas no local.
No outro dia, a cena se repetiu. Ela seguiu então em
direção do rio, para ver onde terminava o arco-íris. Nadou por três dias e três noites, até chegar à outra ponta. Lá havia uma coroa de ouro, que Ewá, cheia de curiosidade, tomou nas mãos. Então Oxumaré, o orixá da riqueza, apareceu diante dela, dizendo-se encantado com sua beleza.
Ewá se apaixonou pelo deus e pediu-lhe que a tornasse um orixá. Assim transformou-se numa cobra, vivendo para sempre com Oxumaré.


OUTRA VERSÃO
num dia brilhante de sol, ewá resolve ir até a beira de um rio para banhar-se. durante seu banho nas águas doces, ewá avista um arco-íris e queda fascinada por sua beleza. ela corre ao seu encontro, mas ao chegar, tem uma surpresa: acha apenas algumas moedas caídas na relva.
ewá fica absolutamente encantada com esse mistério, e então dia após dia volta ao rio. a mesma cena se repete várias vezes até que, obcecada por alcançá-lo, atira-se no rio e nada por 3 dias e 3 noites seguidos.
ao chegar à outra extremidade do arco-íris, encontra uma coroa de ouro e ao tocá-la, surge oxumarê, o rei dos movimentos, dos ciclos e das transformações, fascinado pela beleza de ewá. ele havia se encantado com ela também e por isso a atraiu ao seu encontro. por ter tocado o arco-íris, descoberto seus mistérios e se enamorado por oxumarê, ewá desperta o ciúme da outras deusas, que começam a persegui-la.
temendo a fúria dos ciúmes alheios, ewá mergulha novamente no rio e nada até o mar, pedindo refúgio a iemanjá, que lhe cede os recifes de coral como esconderijo. cansada de viver fugindo, ewá desperta a sensibilidade de oxalá: sabendo da impossibilidade de seu encontro com oxumarê, transforma-a nas estrelas do céu, colocando-a para sempre em condições de ver o seu amado. e para que ela sempre esteja ao lado do seu amor, cede para ela a faixa branca do arco-íris de oxumarê – motivo pelo qual seu arco-íris tem oito cores. talvez seja por isso que não se sabe ao certo se ewá é a porção feminina de oxumarê, se é sua filha, ou sua mulher...

ewá está no lugar onde o homem não alcança. tudo que é inexplorável.
exótica, bela, tranquila, única e múltipla. ela é representada também pelo raio do sol e pela neve. ewá é a estrela que olha o mundo lá de cima, do norte; a dona dos horizontes distantes.

talvez por não se achar merecedora da felicidade, ewá não alcança oxumarê nunca, como retas paralelas que se encontram no infinito. está fadada a contemplá-lo de longe com seus olhos tristes.
apesar de não se sentir superior a aos demais e de ter obtido a ajuda de muitos, ewá coloca-se no alto, o que pode parecer arrogância. talvez tenha vindo ao mundo para dizer-se que não deveria ter saído da companhia das estrelas. afinal, com a beleza de sua luz, é de lá que pode proteger os homens e contemplar a eterna e constante mudança do objeto do seu amor, razão de ser da sua diferença, já que, ao viver sua própria vida, a confunde com a vida daquele a quem ama.

EWÁ E OXUMARÉ COMO IRMÃOS
Ewá é escondida por seu irmão Oxumaré

Filha de Nanã também é Ewá. Ewá é o horizonte, o encontro do céu com a terra. É o encontro do céu com o mar. Euá era bela e iluminada, mas era solitária e tão calada. Nanã, preocupada com sua filha, pediu a Orunmilá que lhe arranjasse um amor, que arranjasse um casamento para Ewá. Mas ela desejava viver só, dedicada à sua tarefa de fazer criar a noite no horizonte, mandando sol com a magia que guarda na cabeça adô. Nanã porém, insistia em casar a filha.

Ewá pediu então ajuda a seu irmão Oxumarê. O Arco-Íris escondeu Ewá no lugar onde termina o arco de seu corpo. Escondeu Ewá por trás do horizonte e Nanã nunca mais pôde alcançá-la. Assim os dois irmãos passaram a viver juntos, lá onde o céu encontra a terra. Onde ela faz a noite com seu adô

Ewá casa-se com Oxumarê
Ewá andava pelo mundo, procurando um lugar para viver. Ewá viajou até a cabeceira dos rios e aí junto às fontes e nascentes escolheu sua morada. Entre as águas Ewá foi surpreendida pelo encanto e maravilha do Arco-Íris. E dele Ewá loucamente se enamorou. Era Oxumarê que a encantava. Ewá casou-se com Oxumarê e a partir daí vive com o Arco-Íris, compartilhando com ele os segredos do universo.

http://povo-umbanda.blogspot.com/2010/12/lendas-de-ewa-tambem-conhecida-como-iya.html
http://mondodiogenes.spaces.live.com/blog/cns!2850884783095CD2!1375.entry
CRÉDITO DA IMAGEM:
Odh Galeria - Traduções do Infinito - Odh Gallery -Art of the Spirit
http://odhgallery.blogspot.com/

POSTAGENS RECENTES

PESQUISAR ESTE BLOG

Carregando...

ARTIGOS SUGERIDOS

PÁGINA INICIAL

PÁGINA INICIAL
click na imagem

ORIXÁ EXÚ

ORIXÁ EXÚ

ORIXÁ OGUM

ORIXÁ OGUM

ORIXÁ IANSÃ

ORIXÁ IANSÃ

ORIXÁ XANGÔ

ORIXÁ XANGÔ

ORIXÁ OXUM

ORIXÁ OXUM

ORIXÁ OXÓSSI

ORIXÁ OXÓSSI

ORIXÁ IEMANJÁ

ORIXÁ IEMANJÁ

ORIXÁ OMOLÚ

ORIXÁ OMOLÚ

ORIXÁ NANÃ BURUQUÊ

ORIXÁ NANÃ BURUQUÊ