.
.

O QUE MAIS LHE INTERESSA SOBRE ORIXÁS:

SOBRE O SEU ORIXÁ DE CABEÇA:

Páginas Visitadas

ORIXÁS, UMBANDA E CANDOMBLÉ

POR AMOR AOS ORIXÁS - ANO III

Seguidores

Seguir por Email

quinta-feira, 31 de março de 2011

CULTOS AFRO NO RIO GRANDE DO SUL

:.. As origens dos Cultos Afros ..::
A Influência negra no Rio Grande do Sul



O negro aparece no Rio Grande do Sul em 1725, com a frota de João Magalhães, vinda por terra. Estes negros, certamente escravos, realizavam o serviço pesado. Porém oficialmente a presença negra, no território gaúcho, data de 1737, quando o Brigadeiro José da Silva Paes se estabelece na Barra erigindo o Presídio Jesus, Maria e José, marco inicial da nossa colonização. Durante muitos anos esta região, distante e hostil, denominada Continente, foi usada como ameaça contra os escravos rebeldes ou preguiçosos do centro do Brasil, sendo estes enviados para este local, considerado por eles como pior que o inferno, um autêntico degredo na solidão verde do pampa.

Assim deu-se o inicio da colonização negra no Rio Grande do Sul, estendendo para o Prata clandestinamente. O negro marcou sua presença, indelevelmente, na História, na Geografia, no folclore, no linguajar, nas artes, no esporte e na política.
Na historia, há uma notável participação dos negros durante a Guerra dos Farrapos e na Guerra do Paraguai, nesta ultima lutaram substituindo o sinhozinho branco e que, após a vitória, se recusaram a voltar para o Rio Grande.

Na Geografia são muitos os topônimos de origem negra no mapa gaúcho, inclusive alguns com o nome de quilombos.
No folclore, algumas lendas falam de escravos entre nós: As Torres Malditas, Cambai, Santa Josefa e o Negrinho do Pastoreio.
No linguajar, são correntes termos como: caiambola, cacimba, mondongo, mocotó.
Nas artes são inúmeras as influências de elementos negros, como o maior tambor brasileiro atualmente, o "sopapo". Artistas negros marcaram a cultura brasileira como Lupicínio Rodrigues, e o ator Breno Mello, o inesquecível Orfeu Negro do cinema.
No esporte bastaria a simples menção ao nome do tricampeão Everaldo e, antes dele, o grande Tesourinha, entre muitos outros mais recentes.
Na política, o grande nome é do Deputado Carlos Santos, de notável atuação parlamentar durante um quarto de século.
Na culinária gaúcha brasileira, três pratos têm etiologia negra: o mocotó, a feijoada e o quibebe.

Mas é na religiosidade popular que se encontra a cultura negra mais decisivamente. Desde o século passado, nota-se a existência de cultos negros em Porto Alegre com terreiros de batuque, que se proliferaram e hoje somam mais de 50.000 casas de Batuque em todo o Estado.

Entendemos que a história afro-brasileira, com seus ritos, crenças e mitos, é a experiência existencial do povo africano. Nesse sentido, a experiência e existência desse povo está na base de toda manifestação e transformação pela qual passou essa Religião. Com o tráfico de escravos vindos para o Brasil, os negros africanos trouxeram nos navios negreiros uma única, porém, rica bagagem: a sua religião.

Os Jêjes e os nagôs foram os primeiros a trazerem para o Brasil os ritos, as suas crenças, os seus mitos, seus voduns e seus Orixás. Nasceu, assim, o Candomblé na Bahia, o Xangô no Recife, a Casa de Nagô e a Casa das Minas (Jêje) no Maranhão, e, no Rio Grande do Sul o Batuque.
Arrancados violentamente de sua cultura, de seu país, os representantes dos povos africanos que aportaram no Brasil, tiveram, no século XVIII, que encontrar meios e maneiras de reconstruir sua religião no novo mundo. Nesse universo da exploração expressa pela escravidão, procuraram preencher o vazio de sentido, escolhendo (re)atualizando, de sua memória cultural, elementos que podiam simularmente "reconferir sentidos" e a sua existência.

Foram os jêjes os primeiros que trouxeram para o Brasil a sua religião, pois Ajudá era o grande de escravos da Costa da Mina, conhecido como Costa do Leste ou Costa dos Escravos, onde encontrava-se jêjes. Os Régulos (tribo africana) de Abomey (cidade africana em Damoey) conquistaram os reinos litorâneos e impuseram muitas restrições aos traficantes de escravos que, desta forma, passaram a buscar sua mercadoria em outro local, no Rio de Lagos, já nas terras dos Nagôs. Por esta razão, os Nagôs predominaram, em número e culturalmente, na Bahia, até o final da escravidão. Mesmo em 1763, quando a Bahia deixou de ser capital do Brasil, a sua estagnação dava aos jêjes e nagôs lazer suficiente para revirem as suas religiões nativas.

Assim nasceu o Candomblé na Bahia. Os jêjes e nagôs reexportados da Bahia para os Recife estiveram entre os primeiros a reviver a religião nativa segundo o modelo bahiano. Já no Maranhão, jêjes e nagôs, tomaram caminhos diferentes. Desde o início, reuniram-se em torno de núcleos hoje seculares como a Casa de Nagô e a Casa das Minas (jêje).

Remetendo tal questão para o Rio Grande do Sul, é importante lembrar que, em face de sua condição periférica, o problema da história do negro neste Estado adquiriu caráter particular. De modo geral, o Rio Grande do Sul construiu sua história a partir de circunstâncias específicas, deixando de lado o problema da escravatura ou, na melhor das hipóteses, vendo-a como uma cultura dominada, na medida em que valorizou sempre a celebração das elites, mitificando a realidade através das idéias de "Democracia Racial". Isso se deu com um objetivo claro: legitimar o velho domínio das oligarquias pastoris.

Os Orixás, os mitos, os atabaques, e uma série de outros elementos negros, encarnaram-se em solo rio-grandense para que pudessem continuar existindo.

O Rio Grande do Sul também teve a presença dos povos jêjes e nagôs, vindos para este Estado através dos desbravadores que trouxeram junto com suas caravanas, escravos negros provenientes da Bahia e de outros estados brasileiros. Porém, os povos iorubás, da Nigéria, portadores de uma mitologia complexa e altamente organizada, legaram-nos seus mitos, seus Orixás. Estes povos eram organizados em estados poderosos, dos quais o mais importante foi o reino de Benin Segundo Artur Ramos referindo-se, em "introdução a Antropologia Brasileira", estes povos eram "uma espécie de autocracia teocrática onde o rei Obá gozava de uma autoridade absoluta".

A civilização de Benin tinha atingido um grande explendor, como se pode ver na coleção de objetos de arte que guarnecem atualmente os museus europeus e na própria África. Porém, o reino de Benin foi destruído no final do século XIX pelos Ingleses. A destruição desse reino trouxe para o Brasil, especificamente para o Rio Grande do Sul, o PRÍNCIPE CUSTÓDIO JOAQUIM ALMEIDA. Custódio significou a resistência do negro neste Estado gaúcho.

Este príncipe foi a evocação da África enquanto matriz privilegiada, na qual surgia uma identidade do negro, com a sua ancestralidade. Havendo, assim, o resgate da africanidade do negro rio-grandense através de Custódio, em relação ao domínio da religião africanista reatualizando o significado de seus mitos, suas crenças e seus deuses.

As religiões afro brasileiras são tradições ou transmissões orais, portanto, são fontes histórica cujo caráter próprio está determinado pela forma em que são revividos. Elas são orais e tem a particularidade de se cimentarem de geração em geração na memória dos homens.

http://reinodeoxum.com.br/files/viewpage.php?page_id=2

POSTAGENS RECENTES

PESQUISAR ESTE BLOG

Carregando...

ARTIGOS SUGERIDOS

PÁGINA INICIAL

PÁGINA INICIAL
click na imagem

ORIXÁ EXÚ

ORIXÁ EXÚ

ORIXÁ OGUM

ORIXÁ OGUM

ORIXÁ IANSÃ

ORIXÁ IANSÃ

ORIXÁ XANGÔ

ORIXÁ XANGÔ

ORIXÁ OXUM

ORIXÁ OXUM

ORIXÁ OXÓSSI

ORIXÁ OXÓSSI

ORIXÁ IEMANJÁ

ORIXÁ IEMANJÁ

ORIXÁ OMOLÚ

ORIXÁ OMOLÚ

ORIXÁ NANÃ BURUQUÊ

ORIXÁ NANÃ BURUQUÊ