.
.

O QUE MAIS LHE INTERESSA SOBRE ORIXÁS:

SOBRE O SEU ORIXÁ DE CABEÇA:

Páginas Visitadas

ORIXÁS, UMBANDA E CANDOMBLÉ

POR AMOR AOS ORIXÁS - ANO III

Seguidores

Seguir por Email

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

O RITUAL DE SACRIFÍCIO

Parte II

A religião africana, tratando-se aqui especìficamente da vertente yorubá, tem por finalidade, além do desabrochar da semente de Energia Divina - o Orixá - que gerou a vida da pessoa na presente encarnação, promover harmonia na sua existência presente na Terra, a fim de que cumpra o seu carma, da melhor maneira possível.

Num Universo em constante movimento, esta harmonia se viabiliza mediante o intercâmbio energético para restauração do equilíbrio de forças que transitam entre o orun (o além) e o ayiê (o mundo material). Esta energia, contida nos diversos elementos da Natureza - que é viva – denomina-se “axé” e permeia os reinos animal, vegetal e mineral . Uma das três categorias de axé encontradas no reino animal é o sangue.
O sangue, veículo da Vida por excelência, é considerado Divino, não pode ser fabricado artificialmente (sangue não é plasma) e é a sagrada essência da Vida em matéria.
Como religião das mais antigas ainda atuante no planeta Terra, com suas instruções ritualísticas registradas na literatura de Ifá que, segundo a tradição, foram estabelecidas diretamente pelo Orixá da Sabedoria e Testemunha da Criação (Orunmilá), mobiliza e transfere axé através de rituais de sacrifício de várias espécies.
Os sacrifícios animais são oferendas que movimentam o fluido vital liberado – axé - que, atuando num âmbito não-físico, tem o poder de alterar situações indesejadas na vida humana. Há uma crença simplória e não destituída de preconceito maldoso, que identifica um suposto primitivismo dos Orixás como “espíritos apegados ao ato de comer”.
Como Forças / Energias da Natureza, é óbvio que os Orixás não necessitam de comida e, muito menos, de sangue. O sangue é o fluido vital que corre nas nossas veias nos assegurando a sobrevivência e é inerente à vida orgânica na Terra. Mediante os rituais de sacrifício, no momento em que a Vida é liberada, este sagrado fluido vital é transferido e usado para operar, sanando o problema do ser humano necessitado.
Quem afirma que esta prática pode estar superada, alegando que os mesmos resultados podem ser obtidos sem derramamento de sangue animal, desconhece o que seja axé. Pode até estar inventando uma nova religião mas, certamente, não estará lidando com a energia dos Orixás.
Os sacrifícios animais praticados pela religião yorubá, além de movimentar e utilizar axé, servem para alimentar as pessoas, uma vez que a carne é, na quase totalidade das vezes, consumida como alimento.
Ali o animal é encaminhado de forma indolor, com rezas, respeito e gratidão. Nenhum sacrifício é realizado de forma leviana e jamais o sangue é derramado em vão. Uma religião multi milenar que venera a Mãe Natureza (Onilé) só poderia respeitar a vida animal e encará-los como nossos parceiros na saga da vida terrestre.

Muito nos surpreende a veemência com que pessoas que ignoram esses fundamentos e, incapazes de resolver as situações gravíssimas com que a religião yorubá muitas vezes se defronta e soluciona, atacam a prática do sacrifício ritual como “incivilizada”.
Civilizada é, para eles, a situação dos matadouros que fornecem carne de animais crescidos e torturados em confinamento para saciar a simples gulodice das classes mais abastadas no seu dia a dia e inclusive nas suas festas religiosas. São as touradas na Espanha católica, os safaris e caçadas na Inglaterra protestante. As brigas de galo e de cães.
Civilizado é o consumismo de caros acessórios de couro e pele. Curiosamente, não se costuma questionar como e por que animais são mortos quando se trata de algum petisco gastronômico, um sapato ou casaco de couro ou uma forração de pele que não salvam a vida ou restabelecem a saúde de alguém, mas se destinam exclusivamente a saciar a sua vaidade.
Vista grossa se faz para o tráfico e extinção de animais exóticos, para os pássaros em cativeiro enfeitando gaiolas domésticas e a tortura a que são submetidos os animais marinhos.
Mais grossa ainda, para a intolerância com que o Cristianismo - a religião que, segundo eles, veio implantar o amor na Terra - dizimou civilizações inteiras em vários continentes e assassinou centenas de pessoas, durante séculos, nas fogueiras da Inquisição. Discriminar e perseguir a religião alheia é, certamente, um crime bem mais grave do que oferecer animais aos Deuses e, posteriormente, comê-los.
A religião yorubá não é hipócrita e não tem a pretensão de criar na Terra condições de vida que ignorem o ciclo da Vida e da Morte.
Enquanto estivermos encarnados em matéria, nestes corpos fabricados pela Terra,
onde corre sangue como fluido vital em nossas veias e ininterruptamente seres vivos comem uns aos outros para sobreviver, dentro e fora dos nossos corpos
- onde a própria Terra é um manancial de Vida proveniente de um grande cemitério, alimentada por todos os corpos animais e vegetais que aqui se decompuseram desde o início dos tempos, constataremos que, mesmo as plantas estão impregnadas de sangue - qualquer pretensão que transgrida essas Leis, será, no mínimo, utópica.

vhttp://elianehaas.blogspot.com/2010/07/o-ritual-de-sacrificio-na-religiao.html

POSTAGENS RECENTES

PESQUISAR ESTE BLOG

Carregando...

ARTIGOS SUGERIDOS

PÁGINA INICIAL

PÁGINA INICIAL
click na imagem

ORIXÁ EXÚ

ORIXÁ EXÚ

ORIXÁ OGUM

ORIXÁ OGUM

ORIXÁ IANSÃ

ORIXÁ IANSÃ

ORIXÁ XANGÔ

ORIXÁ XANGÔ

ORIXÁ OXUM

ORIXÁ OXUM

ORIXÁ OXÓSSI

ORIXÁ OXÓSSI

ORIXÁ IEMANJÁ

ORIXÁ IEMANJÁ

ORIXÁ OMOLÚ

ORIXÁ OMOLÚ

ORIXÁ NANÃ BURUQUÊ

ORIXÁ NANÃ BURUQUÊ